UBER INICIA O CADASTRO DE MOTORISTAS INTERESSADOS EM ATUAR NA CIDADE

  • O serviço ainda não tem prazo para iniciar suas atividades no município, mas os interessados já podem fazer o preenchimento da ficha de inscrição

Mesmo com a proibição prevista em lei municipal, a Uber está recebendo o cadastro de motoristas interessados em atuar como parceiros do aplicativo de transporte de passageiros em Rio Grande. Presente em Novo Hamburgo, Caxias e Porto Alegre, o serviço ainda não tem prazo para iniciar suas atividades no município, mas os interessados já podem fazer o preenchimento da ficha de inscrição no endereço uber.com/dirija.

De acordo com a nota encaminhada pela assessoria de comunicação do aplicativo, mais de 50 mil pessoas em todo o país geram renda a partir dessa atividade que se torna cada vez mais comum nos grandes centros urbanos. Para se cadastrar, o motorista precisa acessar o site, incluir a CNH com a observação de exercício de atividade remunerada (EAR) e informar o CRLV de um veículo que atenda aos requisitos previamente estabelecidos.

O carro, que pode ser até mesmo alugado, precisa ser equipado com ar condicionado, ter quatro portas e ano de fabricação igual ou superior à 2008. O motorista que não tiver na carteira de habilitação a observação EAR, deve procurar o posto do Detran para regularizar o documento.

Na manhã desta sexta-feira, interessados e representantes do serviço estiveram reunidos em um hotel da cidade para repassar detalhes sobre a empresa e sanar dúvidas a respeito da operação. O encontro contou com a presença de aproximadamente 15 motoristas pré-cadastrados junto ao sistema da plataforma.

A área de abrangência compreenderá Rio Grande, Povo Novo, Pelotas e Capão do Leão, mas o motorista poderá realizar viagens em toda a região sul do país com um único cadastro. A operação em cidades fora do eixo Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná dependerá de uma espécie de inscrição suplementar.

A discussão acerca da proibição da atividade no município também foi levantada e os representantes informaram que o serviço encontra respaldo jurídico na Lei Federal nº 12.587/2012, conhecida popularmente como Lei de Mobilidade Urbana. Em caso de problemas, como multas, por exemplo, o aplicativo oferece aos parceiros o suporte financeiro e jurídico necessário.

Com relação às tarifas, os representantes informaram que as mesmas encontram-se em estudos e levarão em consideração as peculiaridades locais para o cálculo. A operação deverá iniciar a partir do momento em que o número mínimo de motoristas cadastrados for atingido, quantidade que deverá ser atribuída pela gerência do serviço com base no contingente de usuários interessados.

Em março deste ano, a Câmara de Vereadores aprovou por unanimidade a proibição do aplicativo na cidade em sessão que contou, inclusive, com a presença de taxistas no plenário. Na oportunidade, a lei foi promulgada pelo presidente do legislativo, vereador Charles Saraiva, depois do executivo silenciar quanto a medida proposta.

Texto: Rodrigo de Aguiar

Foto: Divulgação

rodrigo@papareianews.com

Nenhuma TAG nesta notícia